Sobre sonhos, amor incondicional e carros: CER IV reabilita crianças com TEA utilizando a ludicidade

O Centro Especializado em Reabilitação José Leonel Ferreira Aquino – CER IV, tem sido para Pedro Lucas Carvalho Santos, 7 anos, um lugar para se desenvolver brincando e com muita afetividade.  

A reabilitação de Pedro, no momento de produção desta matéria, estava sendo realizada com muita ludicidade e interatividade. O garoto demonstrava felicidade, enquanto realizava os exercícios propostos pelas estudantes de fonoaudiologia da Universidade Federal de Sergipe com carrinhos, ultrapassando obstáculos. “A gente estava brincando, interagindo, trabalhando fonemas que ele tem dificuldade de emitir. O uso dos carrinhos tem o objetivo de estimular que ele reconheça cores, interprete ações. Pedro é uma criança muito participativa, desde fevereiro estamos trabalhando com ele e sinto uma evolução muito boa”, fala ainda ofegante a estudante de fonoaudiologia, Belanisa Pedral. 

A mãe do pequeno Pedro, Patrícia da Conceição dos Santos, 45 anos, moradora do Conjunto Eduardo Gomes em São Cristóvão, relembra quando descobriu que o filho tem o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). “A avó paterna notou o atraso da fala de Pedro Lucas, então, procurei o serviço do HU/UFS que o encaminhou para a neurologista e foi diagnosticado o autismo. O meu filho começou a falar com 4 anos, quase um ano depois de ter começado o acompanhamento com a fonoaudióloga”, rememora.

Patrícia explica que chegou ao CER IV pesquisando na internet, quando soube dos serviços de reabilitação para pessoas com deficiência intelectual e TEA, não hesitou em verificar se Pedro Lucas poderia ser assistido pelo centro. “Após o acompanhamento de uma fonoaudióloga ele foi evoluindo na fala e, pesquisando na internet, descobri que o CER IV dispunha de outros serviços, então, consegui toda a documentação para ele ser atendido aqui. O CER IV hoje representa muita coisa na vida de Pedro, eu faço tudo o que eu posso para não faltar, estar aqui nos dias agendados. A evolução dele depende do tratamento, então, faço disso a minha prioridade. Aqui no CER IV ele está progredindo na fala, fazendo terapia ocupacional e sendo acompanhado por psicóloga”, expressa Patrícia com gratidão. 

Para a mãe, a fala e a socialização, são dois dos principais comprometimentos que a reabilitação no CER IV tem conseguido trabalhar para a evolução de Pedro Lucas. “O meu filho ainda não consegue interagir com os colegas da escola, ele fica aguardando que os outros se aproximem dele. Quando ele está aqui com as profissionais eu vejo que está avançando, a evolução dele é, para mim, uma conquista que não tem preço. Eu penso que assim, com meu esforço e investimento nessa fase do desenvolvimento de Pedro Lucas, ele vai crescer e se tornar um adulto realmente inserido na sociedade”, compartilha com otimismo. 

As dificuldades para oferecer a Pedro Lucas toda a assistência que ele necessita são inúmeras, mas para Patrícia, a recompensa são todos os aprendizados que o seu filho que tem autismo oportunizaram.  “O autismo me ensinou sobre o amor incondicional de uma mãe pelo filho, eu não tive isso na infância e Pedro é muito carinhoso, gosta de abraçar e beijar, com ele, eu exploro todo o sentimento que antes eu não conseguia colocar para fora. Todos os dias eu digo que o amo e falo isso com toda a minha verdade”, fala com emoção. 

Em relação ao dia 02 de abril, data que impulsiona mundialmente ações sobre o tema, Patrícia também deixa uma importante reflexão para outros pais e mães. “O dia do autismo é um grande avanço em relação à conscientização sobre o autismo, para muitos pais que, às vezes, estão sem compreender como lidar e procurar o tratamento adequado, esta é uma data que pode estimulá-los. É um grande desafio ser mãe de uma criança com autismo, é necessário perseverança, por isso, eu aconselho que não deixem de procurar a assistência devida o quanto antes, só assim os nossos filhos poderão ter uma vida mais digna e com melhor qualidade”, aconselha a mãe de Pedro Lucas. 

E assim, com a inocência de uma criança que brinca com carros coloridos, construindo percursos e ultrapassando obstáculos, o pequeno Pedro Lucas vai encontrando sua forma de ser e de se expressar no mundo. O olhar atento e orgulhoso de Patrícia acompanha o filho explorando os seus trajetos e demonstra compreender que fora da brincadeira, Pedro não está numa corrida, mas em uma caminhada que deve respeitar o tempo e as particularidades do autismo. Hoje a pista e o combustível para o desenvolvimento de Pedro Lucas são os serviços disponibilizados pelo Centro de Reabilitação José Leonel Ferreira Aquino – CER IV, executados por uma equipe multidisciplinar que prioriza o atendimento humanizado. O equipamento da Secretaria de Estado da Saúde é a prova de que o Sistema Único de Saúde (SUS) em Sergipe, busca a cada dia, uma realidade melhor para as pessoas com deficiência do território sergipano.  

Por Ewertton Nunes

Fotos: Flávia Pacheco

Publicado: 2 de abril de 2022, 08:36 | Atualizado: 31 de outubro de 2022, 13:39


Publicações Relacionadas