Sergipe registrou mais de 3.800 acidentes por animais peçonhentos em 2023

Os dados foram divulgados pelo Sistema de Informação de Agravos por Notificação

A Secretaria de Estado da Saúde (SES),  por meio do Sistema de Informação de Agravos por Notificação (Sinan), registrou 3.822 casos de acidentes por animais peçonhentos em 2023. Dentre os números, 2.846 foram por picadas de escorpião, 323 casos por picadas de abelha e 219 por picadas de serpente.

Em relação aos municípios, Aracaju possui a maior incidência de casos, com 1.282, seguido por Nossa Senhora do Socorro, com 459 casos. Os municípios de menor incidência são Ribeirópolis, Santa Rosa de Lima, com dois casos. As cidades de Cristinápolis, Divina Pastora e Santo Amaro das Brotas registraram três casos.

Para evitar a proliferação de animais venenosos, é importante que a população adote medidas preventivas para impedir que o animal se esconda em ambientes que possam causar esses incidentes, dentre eles, limpeza constante do jardim e da casa, telhas, ralos de banheiro, fresta de portas, não acumular materiais de obras ou entulhos próximo à residência, que possam servir de abrigo a esses insetos.

O escorpião, por se tratar de um animal com hábitos noturnos e se movimentar com muita velocidade, pode subir em paredes e, portanto, uma das primeiras recomendações é afastar as camas das paredes e não deixar objetos no chão, inclusive sapatos. Vale lembrar que o grande perigo do escorpião é quando acidentalmente ele é pisado ou tocado.

Sintomas

Algumas dicas são importantes para que o tratamento seja eficiente. Se a vítima foi picada por animais peçonhentos, o ideal é que a espécie seja capturada e levada em um frasco para que o médico avalie o procedimento mais adequado, isso ajuda na precisão do diagnóstico. Deve ser feita a soroterapia específica preconizada para os acidentes moderados e graves, pois vai inibir a ação do veneno naquele local já que ele age no sistema circulatório e nervoso. Então, quanto mais rápida for feita essa soroterapia, se terá um prognóstico melhor para a vítima.

Segundo a gerente de endemias da SES, Sidney Sá, o principal sintoma que caracteriza a picada desses animais é a dor local. “No caso de escorpião, e alguns tipos de aranha, além dessa dor, os pacientes podem apresentar também sintomas sistêmicos, como a alteração da pressão arterial, tontura, vômito, alteração neurológica. Então, ao perceber esses sintomas, é importante que a pessoa procure uma Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima da sua residência”, destacou Sidney.

Fotos: Ascom SES | Flávia Pacheco

Publicado: 30 de janeiro de 2024, 11:09 | Atualizado: 30 de janeiro de 2024, 11:09