Sergipe recebe Selo Prata por eliminação da transmissão vertical do HIV

A importância deste Selo para o estado significa que ele vem obtendo índices positivos em relação às ações e campanhas educativas

O estado de Sergipe recebeu a certificação do Selo Prata de Boas Práticas rumo à Eliminação da Transmissão Vertical do HIV, em consonância com os critérios da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). Para que o estado obtenha o Selo Prata, foi necessário um processo de avaliação realizado pela Comissão Nacional de Validação (CNV) e do Departamento de Doenças de Condições Crônicas (DCCI) do Ministério da Saúde (MS). Com esse intuito, foi realizada uma reunião com os representantes do MS e demais coordenações da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e outros setores envolvidos no Processo de Certificação.

O Ministério da Saúde está em um processo de certificar os estados que conseguiram atingir os indicadores de Eliminação da Transmissão Vertical do HIV ou que estão próximos de eliminar esse agravo nos estados e municípios com mais 100 mil habitantes. Então, a reunião e as visitas da equipe de validação aos hospitais, qualificam a informação nos relatórios que o estado ou os municípios encaminharam para o MS requerendo essa certificação.  

Depois da análise de dados e de toda a rede de saúde, ou seja, da rede hospitalar, da materna-infantil e da vigilância epidemiológica, a equipe de validação comprovou as informações e assim, o estado de Sergipe recebeu o Selo Prata. Segundo a especialista em pediatria e técnica do Programa Estadual de HIV/Aids da SES, Jôse Noemia Calasans, é muito importante Sergipe receber esse certificado. “Concorremos ao Selo Prata referente aos anos de 2020 e 2021. Isso significa que não podemos ter casos de crianças vivendo com essas infecções durante este período. Estamos com a sensação de dever cumprido, vamos continuar trabalhando e desenvolvendo mais campanhas e ações educativas para que possamos alcançar o Selo Ouro”, ressaltou Jôse.

De acordo com a referência técnica do Programa IST/Aids, Almir Santana, é importante combater o preconceito para melhorar a qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV. “Por ser uma doença que afeta qualquer órgão, precisamos melhorar o pré-natal e o tratamento dessa mãe para reduzir os riscos nas crianças. Muitas vezes as pessoas não procuram o médico por vergonha, e quando acontece uma gravidez não planejada, isso pode se tornar um problema, não só para a mãe, mas para o bebê. Com as campanhas que temos desenvolvido, temos alcançado resultados positivos, como o recebimento deste Selo de Prata”, frisou o médico.

Fotos: Flávia Pacheco

Publicado: 22 de novembro de 2023, 20:32 | Atualizado: 22 de novembro de 2023, 20:32