Secretário da Saúde destaca empenho do Governo pela garantia da estabilidade dos servidores da FHS

O secretário de Estado da Saúde, Valberto de Oliveira, avalia como grande avanço o envio do Projeto de Lei que cria o Quadro de Pessoal Especial de Natureza Provisória e em Extinção da Fundação Hospitalar de Saúde (FHS), que traz a garantia de vínculo para os profissionais da casa, resolvendo, em definitivo, a situação funcional dos trabalhadores. O Projeto de Lei (PL) foi encaminhado nesta segunda-feira, 14, pelo governo do Estado para a Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), que, segundo o secretário, demonstra o comprometimento do governo do Estado com os profissionais da FHS.

 

A construção do PL teve a participação direta e o empenho do secretário Valberto de Oliveira, que em reuniões conduzidas por ele, ouviu com atenção os trabalhadores da FHS. “Neste projeto, trazemos uma solução para os quase quatro mil funcionários da Fundação que é a estabilidade profissional. Acredito que, agora, todos nós poderemos trabalhar com mais qualidade para garantir melhor assistência aos usuários da saúde pública”, declarou o secretário.

De acordo com informações do diretor Jurídico da Secretaria de Estado da Saúde, Max de Carvalho Amaral, o Projeto de Lei produzirá seus frutos a partir de 30 de março de 2019 e prevê que a Fundação Hospitalar de Saúde vai existir até que o último funcionário se aposente, que se garanta o vínculo empregatício. Prevê, também, que todos os atuais servidores sejam cedidos à SES, órgão que vai operacionalizar todos o serviços de saúde do Estado.

“O Projeto de Lei veda o ingresso de novos funcionários à FHS. O acesso de servidores se dará através de concurso público realizado pelo Estado para servir na Secretaria de Estado da Saúde, que voltará a ter o quadro estatutário”, explicou o diretor Jurídico.

O empenho do governo do Estado em resolver definitivamente a situação dos servidores da FHS agradou os trabalhadores. Para a assistente administrativa Jaqueline Santos Lima, o envio do projeto à Assembleia Legislativa representa a união do esforço dos profissionais, através dos seus sindicatos, e do governo do Estado em encontrar uma solução para o problema. “Vejo como um avanço que traz serenidade para os trabalhadores, porque estávamos angustiados com a incerteza do destino profissional”, contou.

A repórter fotográfica, Flávia Amanda Pacheco Nunes, disse que o PL põe fim ao longo período de angústia que os trabalhadores viveram desde que se cogitou o fim da FHS. “Toda a insegurança e angústia acabam e dão lugar à tranquilidade que é necessária para que a gente possa desenvolver nosso trabalho com mais qualidade e satisfação”, salientou.

 

Foto: Flávia Pacheco ASCOM SES

Publicado: 14 de agosto de 2018, 14:09 | Atualizado: 14 de agosto de 2018, 14:09