Secretaria de Saúde chama atenção para os sinais de alerta do câncer infantojuvenil

Perda de peso acentuada, dores em membros sem causa aparente e febre persistente estão entre os sinais de alerta

O câncer infantojuvenil é definido como um grupo de várias doenças que possuem, em comum, a proliferação descontrolada de células anormais, podendo atingir qualquer local do corpo. Diferente das causas do câncer no adulto, em crianças e adolescentes a patologia é predominantemente de natureza embrionária. Entre os tipos de tumores mais frequentes na infância e na adolescência estão as leucemias, os que atingem o sistema nervoso central e os linfomas.

No Brasil, a patologia já representa a primeira causa de morte, por doença, entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o número de casos novos de câncer infantojuvenil estimado para o Brasil, para cada ano do triênio de 2023 a 2025, é de 7.930 casos, sendo 4.230 novos casos no sexo masculino e de 3.700 no sexo feminino. Em Sergipe, somente este ano, são estimados 90 novos casos da doença em crianças e adolescentes.  

A médica e responsável técnica da Oncologia Pediátrica do Hospital de Urgências de Sergipe Governador João Alves Filho (Huse), Pérola Barros, destaca os principais sinais de alerta para o câncer infantil. “Diferentemente do câncer em adultos, não existe prevenção para o câncer infantil. Existe, sim, a necessidade do diagnóstico precoce da doença. Por isso, enfatizamos os principais sinais de alerta como a perda de peso acentuada, dores em membros sem causa aparente, febre persistente, manchas arroxeadas pelo corpo, aumento do volume dos gânglios e a cefaleia de forte intensidade associadas a vômitos”, comentou a oncologista pediátrica e paliativista. 

Como os sintomas são inespecíficos e genéricos que podem estar associados a outras patologias, a especialista enfatizou ainda a importância da assistência adequada aos pacientes. “O ideal é que a criança seja acompanhada por um pediatra que é o profissional treinado para identificar e suspeitar a possibilidade de uma patologia oncológica. Em algum caso suspeito, essa criança ou jovem deve ser imediatamente direcionado a um centro de oncologia com referência em oncologia pediátrica”, frisou a médica. 

Ainda de acordo com o Inca, em torno de 80% das crianças e dos adolescentes acometidos pela doença podem ser curados, se diagnosticados precocemente e tratados de forma adequada. “A taxa de cura para o câncer infantojuvenil é elevada se levarmos em consideração o câncer em adultos. Esse fato ocorre devido a proliferação celular ser mais rápida no câncer infantil e por ter índice mitótico maior, responde melhor ao tratamento quimioterápico. Mas, para que essa taxa de cura elevada aconteça, existe a necessidade do diagnóstico precoce, sendo descoberto ainda em seu estágio inicial”, ressaltou Pérola.

Setembro Dourado

Uma campanha anual denominada Setembro Dourado, realizada pela Confederação Nacional de Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer (Coniacc), tem como principal objetivo informar e conscientizar a população em geral, para a importância do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil, através da suspeita de sinais e sintomas da doença.

“É uma iniciativa muito relevante justamente para lembrar a sociedade e os profissionais da saúde sobre a importância da identificação dos sinais de alerta do câncer infantil para a realização do diagnóstico precoce e da sua relação com a possibilidade real de cura. O câncer infantil tem elevada taxa de cura, se houver a possibilidade do diagnóstico precoce”, concluiu Pérola Barros, oncologista pediátrica.

Fotos: Flávia Pacheco

Publicado: 19 de setembro de 2023, 11:00 | Atualizado: 19 de setembro de 2023, 11:00