Secretaria da Saúde reforça o alerta para combate ao Aedes aegypti

O último LIRAa, realizado em setembro, identificou quatro municípios com índice elevado de infestação do Aedes aegypti

É fundamental que a população continue seguindo os cuidados preventivos contra o mosquito Aedes aegypti, principalmente por conta das altas temperaturas e chuvas em todo o estado. O Aedes aegypti se reproduz o ano todo, mas, durante as estações mais quentes, ele se prolifera ainda mais, devido às constantes chuvas e ao calor. Por isso, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) chama atenção para os cuidados preventivos de combate às arboviroses.

Segundo o  Boletim Epidemiológico das Arboviroses divulgado pela SES, até este mês de outubro, foram confirmados 2.364 casos de dengue; 1.379 casos de chikungunya; e 190 de zika. Além disso, houve o registro de dez óbitos por dengue e seis por chikungunya. 

Conforme o último Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (LIRAa), realizado em setembro, quatro municípios apresentam índice elevado de alto risco de infestação por Aedes aegypti. O estudo, que tem o objetivo de medir a presença do vetor nas localidades pesquisadas, mostra também que 42 municípios estão em situação de média infestação, e outros 29 com baixo risco.

O levantamento considera como índice satisfatório os valores de 0 a 0,9; média infestação, de 1 a 3,9; e alto risco, acima de 4. Os municípios com alto índice de infestação são Japoatã (4,4), no baixo São Francisco; Nossa Senhora da Glória (5,9), no alto sertão; Simão Dias (6,5), no centro-sul; e Salgado (7,3), no sul do estado. 

Segundo a gerente de Endemias da SES, Sidney Sá, a sociedade deve se atentar a alguns cuidados preventivos de combate ao transmissor. “A SES, junto com as secretarias municipais, realiza o monitoramento da presença do Aedes aegypti em Sergipe para promover ações de prevenção das arboviroses e controlar o número de casos. Contudo, é preciso que a população fique atenta aos cuidados preventivos, a fim de se evitar o surgimento de criadouros do mosquito transmissor das arboviroses como dengue, chikungunya e zika”, destacou a gerente. 

Medidas preventivas

Os criadouros do mosquito Aedes aegypti costumam aparecer em depósitos de água ao nível do solo como tonel, tambor, barril, moringas, potes, cisternas, caixa d’água da chuva, além de vasos, frascos com água, prato, garrafas, pingadeira, recipientes de degelo em geladeiras, bebedouros e pequenas fontes ornamentais. 

Por isso, é muito importante que a população fique atenta e adote medidas preventivas como retirar o lixo acumulado nos quintais da residência, observar os reservatórios de água e limpar as calhas dos telhados. Esses são cuidados básicos, mas necessários para controlar a proliferação do mosquito Aedes aegypti. 

Sintomas

Os sintomas envolvendo dengue, zika e chikungunya costumam ser comuns entre si. As pessoas infectadas geralmente têm febre, dor de cabeça e no corpo. Entretanto, caso apresente outros sintomas mais específicos, a pessoa deve procurar uma Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua residência para uma avaliação médica.

Fotos: Flávia Pacheco

Publicado: 19 de outubro de 2023, 14:48 | Atualizado: 19 de outubro de 2023, 14:48