Hemose define fluxo de trabalho para campanha ‘Unidos por Benjamin’ em Itabaiana

Uma reunião com a participação da equipe técnica do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) no Colégio Estadual Murilo Braga, definiu a logística para realização do cadastro de medula óssea no município de Itabaiana, destinado à campanha ‘Unidos por Benjamin’.  A ação marcada para acontecer no próximo sábado, 1º de setembro, das 8h às 14h, visa colaborar com o tratamento de saúde da menor, diagnosticado com uma Leucemia Linfoide Aguda.

 

Durante o encontro, foi definido que o cadastro será centralizado na unidade escolar em três espaços onde serão disponibilizados uma sala para preenchimento da ficha cadastral, duas salas para coleta da amostra de sangue, necessária para testes de compatibilidade genética.

 

Na ocasião, o diretor do Murilo Braga, Luan Ribeiro disse que o momento é de somação de esforços para ajudar a achar um doador compatível com Benjamin, e outros pacientes que necessitam do transplante de medula óssea para sua cura. “A escola estará de portas abertas para essa ação em defesa da vida. Iremos convidas os professores e os alunos com idade para conhecer o cadastro”, disse.

 

A gerente de captação de Doadores, Josceline Souza, acredita na participação da população que ainda não realizou adesão ao serviço. Ela acrescentou que por se tratar de uma grande mobilização a descentralização do cadastro de medula óssea tem o foco voltado para facilitar o acesso dos cidadãos. “Nessa reunião com o diretor da escola e a tia do paciente definimos os últimos ajustes para distribuição das equipes e o monitoramento do serviço no dia da ação”, ressaltou.

 

Conforme a gerente de Coleta do Hemose, Florita Aquino para fazer o cadastro é necessário ter entre 18 a 55 anos e não possuir diagnóstico de doenças infecciosas. “No dia da ação, o cidadão deve comparecer a escola com um documento oficial original com foto, válido em todo território nacional, pode ser carteira de identidade, de habilitação ou de trabalho. Em seguida preenche um formulário com informações pessoais e coleta uma amostra com 4 ml de sangue para exame”, detalhou a enfermeira.

 

Compatibilidade

 

As amostras coletadas no dia da ação são encaminhadas para um laboratório referenciado pelo Ministério da Saúde (MS), onde é realizado o exame de Histocompatibilidade – HLA. Essa análise verifica a compatibilidade genética entre o candidato a doador, com os usuários – receptor inscrito no Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea (Rereme). Se verificar que existe a compatibilidade o doador é convidado a realizar todos os exames para o procedimento – transplante da medula óssea.Mais informações através dos telefones: (79)3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174.

Publicado: 28 de agosto de 2018, 15:45 | Atualizado: 28 de agosto de 2018, 15:45