Capacitação em Codificação de Declarações de Óbito melhora registro e planejamento em Sergipe

Um dos principais benefícios destacados é a redução das declarações com causas mal definidas

No primeiro semestre de 2024, profissionais de saúde de Sergipe participaram de um curso intensivo de capacitação em codificação de declarações de óbito, com objetivo de  padronizar e aprimorar o preenchimento desses documentos cruciais, visando melhorar o registro adequado das causas de mortes nos municípios. Desde então, os profissionais capacitados têm aplicado o conhecimento adquirido de maneira significativa.

A iniciativa da secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Fundação Estadual da Saúde (Funesa) e da Escola de Saúde Pública de Sergipe (ESP/SE), foi uma resposta à necessidade de alinhar as práticas locais com as diretrizes internacionais de classificação de doenças, promovendo uma vigilância epidemiológica mais eficiente. 

Após a capacitação, um dos principais benefícios destacados é a redução das declarações com causas mal definidas, o que não apenas facilita o trabalho da SES, mas também permite que a vigilância epidemiológica identifique com maior precisão as principais causas de óbito no estado. Isso, por sua vez, direciona estratégias mais eficazes de saúde pública para prevenir tais doenças.

A iniciativa, apoiada pelo Ministério da Saúde, reforça a importância de ações educativas contínuas para melhorar a gestão de informações em saúde pública. Com a capacitação em curso, espera-se que os benefícios se estendam não apenas à melhoria dos registros de óbitos, mas também à implementação de políticas mais eficazes para a saúde da população do estado de Sergipe.

De acordo com o enfermeiro e coordenador da vigilância epidemiológica da cidade de Cedro de São João, no baixo São Francisco, Pedro Douglas, a padronização na codificação das declarações de óbito trouxe uma melhoria substancial ao município. “Antes do curso, enfrentávamos desafios com causas pouco específicas, o que dificultava a análise epidemiológica e o planejamento de políticas públicas. Agora, conseguimos categorizar de forma mais precisa, o que é fundamental para direcionar nossas ações preventivas”, relatou Pedro.

Ainda de acordo com o coordenador, o curso não só capacitou os profissionais de saúde, mas também evidenciou a necessidade contínua de educação e atualização dentro do sistema de saúde, garantindo uma abordagem mais precisa e eficaz para lidar com as questões de saúde pública. “O curso não é só codificar, mas abrir também a mentalidade da gente com o pensamento crítico”, destacou.

Segundo o médico generalista Micael Melo, além de melhorar a qualidade dos registros, a capacitação também fortaleceu o entendimento e responsabilidade dos profissionais da Atenção Primária à Saúde. Médicos que lidam diretamente com o preenchimento das declarações de óbito têm agora um conhecimento mais sólido sobre a importância da sequência lógica e temporal das causas de mortes relatadas.

“Agora, temos uma melhor compreensão do papel essencial que desempenhamos ao preencher esses documentos. Isso não apenas facilita o trabalho burocrático, mas também contribui diretamente para o entendimento mais detalhado das condições de saúde da nossa população”, ressaltou Micael.

Fotos: Nucom Funesa

Publicado: 4 de julho de 2024, 16:32 | Atualizado: 4 de julho de 2024, 16:32